sexta-feira, 21 de setembro de 2012

As Quatro Propostas do Diabo que visam Parar o Crente







Por: Jânio Santos de Oliveira
Presbítero e professor de teologia da Igreja Assembléia de Deus Taquara - Duque de Caxias- Rio de Janeiro

Meus amados e queridos irmãos em Cristo Jesus, a Paz do Senhor!


 

Nesta oportunidade vamos meditar na Palavra de Deus nos seguintes textos: Êx 8.25 ; 8.28, - 10.07 ; 10.24.

Estamos vivendo em tempos difíceis, tempos trabalhosos, tempos nos quais temos visto claramente o diabo agindo sobre a terra.

Devemos em todo o tempo dizer não para as propostas de nosso adversário! Não podemos ficar só em palavras, temos que tomar uma atitude e jamais acatarmos as suas sugestões.


Ele fica estudando dia a dia uma maneira para nos fazer cair, de parar a obra que Deus tem em nossas vidas.

Espalhados pelo mundo afora, existem templos satânicos, onde as pessoas tem ido para adorá-lo e levam todos os tipos de projetos importantes da sua vida para consagrarem a ele.


Temos visto cada vez mais pessoas entregarem a sua alma em troca de riquezas na terra.


Descaradamente o diabo tem conquistado cada vez mais adeptos em seu nome com aqueles que já não clamam mais pelas coisas do alto.

Quantas pessoas infelizmente estão ouvindo “a sua voz”, aceitando as suas propostas, confundindo pessoas fracas na fé, que já não se importam com o conhecimento da palavra de Deus.

 Nesses pactos vemos pessoas que se suicidam, sacrificam vidas humanas de crianças e animais, matam arrancando vísceras para dedicarem ao altar do diabo.


 No Brasil é absurdo o número de pessoas desaparecidas, e muitas delas não são encontradas. As crianças são as maiores vítimas. Inocentes e indefesas, são mortas e torturadas em rituais de sacrifícios dos adeptos do inferno.



Moisés nunca se curvou diante das propostas de Faraó, e com essa atitude Deus o honrou e libertou o seu povo das garras do faraó. Em Êxodo 8: 25,28; 10: 7, 10,24, nos falam das Quatro Propostas que Faraó (diabo) fez a Moisés.






Vejamos agora quais são as estratégias do inimigo:


Efésios 6.11 nos fala que o diabo usa ciladas. Aqui precisamos entender algo muito importante: o diabo não precisa usar cilada para quem já é dele.

 Vamos ilustrar. Há um quadro muito conhecido que circula no meio evangélico como ornamento de templos, casas, chamado OS DOIS CAMINHOS. Esse quadro retrata a realidade do céu e do inferno.


O caminho largo que conduz ao inferno e o caminho estreito que leva ao céu.

 Mas, esse quadro, também apresenta uma heresia: ele mostra um grupo de pessoas que está antes dos dois caminhos, ou seja, um grupo que não está nem no caminho largo nem no estreito, como se fosse possível ficar neutro ou à parte desses dois caminhos. Isso não é possível.

Você está no caminho estreito ou no caminho largo.



Você está indo para o céu, ou para o inferno. Não há meio-termo.
Quem não está debaixo do senhorio de Cristo, está vivendo sob a potestade de Satanás.

 É isso que Paulo diz em Atos 26.18, pois, converter-se é uma pessoa sair debaixo da potestade de Satanás para sujeitar-se a Deus.

 O apóstolo ensina o mesmo em Cl 1.13, quando afirma que a nossa salvação é como ser transportado do império das trevas para o Reino da luz. Ninguém está eqüidistante desses dois caminhos.

Sendo assim, precisamos conhecer as principais estratégias que o inimigo, usa contra o povo de Deus.




1.   Servir a Deus sem sair do Egito

Um dos livros mais importantes sobre a batalha espiritual é o livro de Êxodo. Nele encontramos as forças do mal conspirando contra o povo de Deus. 

Faraó é um símbolo do nosso arqui-inimigo. Quando Moisés foi a ele, pedindo-lhe que deixasse o povo ir, Faraó, ardilosamente, usou de astúcia para reter o povo no Egito.



 A primeira proposta que fez a Moisés foi para que o povo servisse a Deus no Egito mesmo (Êx 8.25).



Faraó queria que o povo servisse a Deus no cativeiro. Egito é símbolo do mundo e da escravidão ao pecado.


 A proposta de Faraó era para que o povo conciliasse, culto, adoração, serviço a Deus com a permanência no cativeiro, com a vida acorrentada no pecado.



A Bíblia diz que o amor do Pai não está naquele que ama o mundo (1 Jo 2.15).


Quem é amigo do mundo se constitui inimigo de Deus (Tg 4.4).


 A Palavra diz que não podemos conformar-nos com este mundo (Rm 12.1). Não podemos servir a Deus sem romper com o mundo.




2.   Saia do Egito, mas fique por perto


A outra proposta do Faraó a Moisés foi: Pode levar o povo para servir a Deus, mas não vá muito longe (Êx 8.28). Essa cilada é muito sutil e muito perigosa. Há muitos crentes debilitados, neutralizados e infrutíferos, vitimados por essa armadilha do inferno.



Pessoas que já saíram do Egito, já romperam com a escravidão do pecado, já deixaram para trás os vícios, já abandonaram toda sorte de cabresto, mas, em vez de fazerem um rompimento radical, ficam curtindo um saudosismo da velha vida, flertando com o pecado, namorando a tentação, vivendo em campo minado, nas regiões de perigo.

São crentes que têm medo de uma consagração profunda, são crentes que servem a Deus, mas ainda não se libertaram totalmente dos encantos do Egito.


O diabo vai fazer de tudo para mantê-lo perto do Egito, mostrando-lhe todos os brilhos multicores e policromáticos do pecado.

Ele vai encher os seus olhos com as atrações mais encantadoras.

A única coisa que ele não lhe mostrará é o salário do pecado, a morte. Ele não quer vê-lo saindo do Egito com determinação para assumir um compromisso de andar com Deus em novidade de vida.




3.   Saia do Egito, mas deixe os seus filhos



Noutra proposta feita a Moisés, Faraó até permitiria que o povo saísse desde que as crianças e os jovens ficassem no Egito. Esse é um laço mortal para a família.



 O que o diabo quer é arrebentar com a família. Ele é ladrão. Ele veio para roubar, matar e destruir. Ele quer dividir a família, rasgá-la ao meio, gerando nela divisão, a contenda e o conflito espiritual.



A coisa que mais perturba o diabo é ver a família unida, servindo a Deus. Ele não gosta de ver lares no altar de Deus. Ele emprega todos os seus métodos todos e todos os seus esforços para atacar a unidade da família.


Veja essa cilada do diabo configurada na proposta de Faraó a Moisés em Êxodo 10.10,11. Ele abre mão das pessoas maduras, vividas, desde que possa investir nas crianças e nos jovens, retendo-os no Egito.



É importante ressaltar que esse laço tem mantido muitos crentes presos. Hoje há uma orquestração concentrada na derrocada dos jovens e das crianças.


 O diabo emprega todas as suas armas e utiliza todo o seu terrível arsenal para torpedear a família, visando a atingir principalmente os jovens e as crianças.


O diabo é um estelionatário. Ele oferece prazer, e dá desgosto. Ele promete diversão, e dá frustração.

Ele promete vida, e dá a morte. O lugar de o jovem curtir a vida, gozar a vida, não é no Egito, nem no mundo, mas no altar de Deus. Só na presença de Deus há plenitude de alegria. Um dia nos átrios de Deus vale mais do que mil dias nas tendas da perversidade.



4.   Saia do Egito, mas deixe o dinheiro.



Quando Faraó percebeu a determinação de Moisés de não deixar no Egito os jovens e as crianças, deu a sua última cartada. Propôs a Moisés que o povo saísse do Egito, mas deixasse seus rebanhos.


 Em outras palavras, Faraó estava dizendo: vocês servem a Deus, mas o dinheiro de vocês serve ao Egito. Esse é um laço que tem derrubado muitos crentes. Há crentes que converteram o coração, mas ainda não converteram o bolso.



Há crentes que tem o coração não nos tesouros do céu, onde os ladrões não escavam nem roubam, mas nos tesouros da terra. Há crentes que põem o coração nas riquezas, e não consagram seus bens a Deus e ao serviço dele.





Pior do que isso é o fato de muitos crentes, além de não colocarem seus bens no altar, a serviço de Deus, ainda tomarem à força, acintosamente a parte que pertence a Deus, sonegando os dízimos.
Moisés porém, não aceitou a exigência de Faraó, pois tudo o que somos e temos precisa estar a serviço de Deus.


 Foi assim que Moisés entendeu e foi assim que ele disse a Faraó: Nem uma unha ficará no Egito (Êx 10.26). Para Moisés, servir a Deus exige um rompimento total com o mundo. Não podemos deixar nada para trás. Não podemos servir a Deus com o coração dividido.


Nosso Deus merece o melhor. Merece tudo o que somos e temos. Tudo deve estar no seu altar e no seu serviço.



O diabo não desiste de lutar.


 Ele é perseverante no seu ataque e nos seus ardis. Foi assim com Jesus no deserto.

 O diabo tentou durante quarenta dias, mas foi vencido por Cristo.


Então o diabo deixou até o momento oportuno (Lc 4.13).

Jesus discerniu suas ciladas em todas as situações e derrotou-o em todas as suas investidas.




Você não pode viver hoje com os triunfos da vitória do passado.


 Ontem você colheu vitória, mas hoje, se não vigiar, pode sofrer uma derrota humilhante.


Davi matou um leão, triunfou sobre um urso, matou um gigante, venceu exércitos, conquistou glórias e fama, porém, deixou de vigiar um minuto e caiu vergonhosamente no pecado (2 Sm 11).




O segredo da liberdade é a constante vigilância.

 Nosso adversário não dorme nem tira férias. Precisamos estar atentos a todo instante, pois a luta continua enquanto aqui vivemos.



"Não troque sua benção por um prato de lentilhas!"

É uma menção clara à história de Esaú e Jacó (Gn 25.27-34).
Esaú e Jacó eram gêmeos, mas o primeiro a nascer foi Esaú. Passado anos, Esaú chega à casa cansado de caçar no campo, com muita fome e seu irmão Jacó pede a ele que venda seu direito de primogênito por um prato do "cozinhado" que havia preparado. Mais na frente, vemos que era um prato de lentilhas. (V. 34).

A história nos diz que Esaú aceita vender seu direito de primogênito por um prato de comida.
Como primogênito Esaú seria o principal herdeiro de seu pai. Algumas pessoas dizem que Esaú não valorizou a sua benção, mas entendo Esaú como o filho pródigo.

Aquele mesmo que não queria saber de uma herança futura! Ele queria era viver o momento. Hoje em dia, há muitos que também trocam sua herança futura pelo bem estar no presente. 

Nisto eu poderia divagar sobre a vida na Terra e a vida eterna e sobre um monte de analogias que me vêem a mente neste momento.

As pessoas alegam que tem que viver intensamente, pois não sabem se estarão vivas amanhã. E se não estarão vivas, de que adianta herança? Nesse "viver intensamente", tornam-se até irresponsáveis com suas vidas e com as vidas das pessoas próximas. Tanto Esaú como o filho pródigo pensavam da mesma maneira!

Confesso que muitas vezes, esse pensamento também me vem a mente:  deixar de curtir um monte de coisas porque tenho um concurso público pra realizar? 
Deixar de sair com amigos porque tenho uma graduação a concluir? Deixar de fazer uma porção de coisas que seriam agradáveis porque quero herdar o reino dos céus?"

Parece louco mas, quem acha a sua vida, a perde, e quem perde a sua vida por causa de Jesus a encontr (Mt 10.39).

Quando tenho esses pensamentos, me entristeço, fico chateada, reclamo um monte, mas logo me lembro que sou um ser eterno e que o gozo futuro é indescritível; afinal "nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou no coração do homem, aquilo que Deus tem preparado para aqueles que O amam.


Que Deus nos abençoe e nos guarde no seu grandioso amor, em nome de Jesus, amém!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário